20/09/2017

NET Claro caça jovens talentos. Inscreva-se!

O Instituto NET Claro Embratel lançou a 6ª edição do Campus Mobile, que visa identificar a formação de jovens talentos universitários para atuação de conteúdos e novos serviços de telefonia móvel.

As inscrições podem ser feitas individuais ou em equipe com até três membros, até o dia 5 de novembro, pela internet.

Podem participar do programa universitários que estejam matriculados em um curso de graduação de uma instituição de ensino superior no Brasil e jovens recém-formados (em 2016 ou 2017).

O Campos Mobile é dividido em cinco etapas: inscrição das ideias e soluções; seleção e divulgação das ideias e soluções; desenvolvimento dos projetos; finalização de protótipos; e uma viagem de imersão no Vale do Silício, São Francisco (CA), nos Estados Unidos, para concluírem seus projetos. Ao todo, serão selecionados 120 projetos, com até 17 equipes por categoria.

Na categoria Educação serão analisados produtos ou serviços inovadores para dispositivos móveis que promovam e aprimorem a aprendizagem dentro e fora da escola ou o interesse pelos estudos.

Já a categoria Facilidades serão avaliados projetos que tornam a vida mais prática, divertida, segura e que incentive hábitos saudáveis. Por fim, na categoria Jogos serão aceitos quaisquer jogos para plataformas móveis.

Reprodução: Diário do Pará

19/09/2017

Palestra Nacional: Tendências de Marketing Digital

O Sindicato dos Administradores no Estado do Pará - SINAD-PA em parceria com a DALMASS, trás à Belém uma super PALESTRA NACIONAL, que debaterá as Tendências de Marketing Digital.

Com um palestrante vindo de Goiânia - GO e com uma expertise internacional, você terá uma grande oportunidade de trocar conhecimento sobre o assunto.

Não perca está oportunidade de agregar conhecimento por um valor simbólico dos ingressos, pois a palestra é co-patrocinada pela DALMASS e o SINAD-PA.

Você receberá certificado digital (PDF) com Carga Horária de 2 horas. 

Para se inscrever: CLIQUE AQUI

Belém-PA: Ciclo de Palestras PMI

Como parte das ações de disseminação do conhecimento em Gestão de Projetos no estado, a CGP Comunidade de Gerenciamento de Projetos Pará, convida a todos para participarem do Ciclo de Palestras, que será realizado no dia 21 de setembro de 2017, no auditório do CESUPA ( Unidade Alcindo Cacela - Av. Alcindo Cacela, 1523 - Nazaré - entre José Malcher e Magalhães Barata). O evento tem como tema as Boas Práticas em Gestão de Projetos e conta com a participação dos palestrantes:  Paulo Henrique Cunha PMP - O Gerente de Projetos no PMBOK® 6a. Edição Paulo Igor Alves Godinho - Gerenciando Projetos com Scrum  Willy Castelo branco- Implementação de Sistema de Gestão na Construção Civil.

Se inscreva através do link: http://bit.ly/2ws8J6h

18/09/2017

Quer investir no Tesouro? Ferramenta vai te ajudar a simular

Interessados em investir no Tesouro Direto poderão contar com uma nova ferramenta de simulação, disponível no site do programa a partir da próxima quinta-feira (21).

A ferramenta vai indicar qual o melhor título para investir, com base em perguntas feitas ao investidor. Escolhido o título, o investidor poderá fazer dois tipos de simulação: fixando os aportes mensais para descobrir quanto receberá no fim de um certo período ou traçando a meta de quanto gostaria de resgatar em um determinado momento do futuro, para saber o valor que precisa aplicar mês a mês até chegar lá.

Além de realizar simulações com depósitos mensais, a ferramenta também permitirá fazer o cálculo com aporte único ou com uma combinação de aporte inicial e parcelas mensais regulares.

Ao final, o investidor poderá comparar a projeção de desempenho do título que escolheu com as principais alternativas de aplicação em renda fixa disponíveis no mercado – poupança, CDB, LCI/LCA e Fundo DI. A simulação traz a rentabilidade bruta e líquida do investimento, já descontados impostos e taxas. O investidor também terá a liberdade de personalizar o cenário, alterando os parâmetros e refazendo os cálculos, explicou a secretaria.

A ferramenta faz parte da campanha "Transformação pelo conhecimento", iniciativa da Secretaria do Tesouro Nacional do Ministério da Fazenda, com o objetivo de difundir o conhecimento para que o investidor possa tomar uma decisão racional e independente com base em seu perfil, desejos e possibilidades.

Além do simulador, a campanha traz ainda 8 mil vagas no curso do Tesouro Direto. Serão 4 mil delas apenas em setembro, com inscrições abertas a partir de hoje (18). Oferecido pela Escola de Administração Fazendária (Esaf), o curso é gratuito, online e constitui-se de três módulos – básico, intermediário e avançado. Outras 2 mil vagas em outubro e mais 2 mil em novembro já estão confirmadas, acrescentou o Tesouro Nacional.

Reprodução: Agência Brasil

Edital SENAI de inovação para a indústria.

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e o Serviço Social da Indústria (SESI) vão disponibilizar até R$ 53,6 milhões para o desenvolvimento de projetos inovadores em empresas industriais e startups de base tecnológica.

Mais de 600 empresas já participaram


Desde 2004, 649 instituições receberam apoio para projetos inovadores.

Foram aprovados 759 projetos em parceria com empresas industriais brasileiras de todos os portes.

Saiba mais: CLIQUE AQUI

15/09/2017

Amazonas tem menor índice de calote em seis anos

A taxa de inadimplência do consumidor no Amazonas chegou a 4,91% em julho, nas operações de crédito, segundo o Banco Central. A liberação de recursos do FGTS é uma das razões para a queda

A taxa de inadimplência do consumidor no Amazonas chegou a 4,91% em julho, nas operações de crédito das instituições bancárias, segundo o Banco Central do Brasil (BCB). Apesar de alto, esse é o menor índice de calote das famílias do Estado desde março de 2011. No Brasil, a taxa ficou estável em 5,7% no sétimo mês do ano, com relação a junho.

A liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS)  e a queda nos juros são algumas das razões apontadas por economistas do banco para a queda na taxa de inadimplência.

O índice de julho ficou 0,32 ponto percentual abaixo do resultado de janeiro, 5,23%, mas teve um ligeiro aumento com relação a junho (4,84%). Desde o início do ano, a taxa de inadimplência está caindo no Estado e esse foi o segundo mês seguido com taxas em torno de 4%.

As operações, que incluem cartões de crédito, financiamentos e cheque especial, somaram R$ 13,6 bilhões no Estado em julho, R$ 100 milhões a mais que em janeiro, um aumento de 0,97%. Com relação ao ano passado, as operações de crédito cresceram em R$ 167 milhões ou 1,24%.

O mercado de crédito brasileiro iniciou o terceiro trimestre com retração de 0,6% no estoque total, em julho, sobre o mês anterior, a R$ 3,062 trilhões, segundo os dados do Banco Central.

Empresas

Já a taxa de inadimplência das empresas no Amazonas ficou em torno de 4,31% em julho, abaixo do índice de janeiro 4,60%, mas acima do resultado de julho do ano passado, quando os calotes chegaram a 3,94%.

As operações de crédito referentes a pessoas jurídicas totalizaram R$ 10 bilhões, no início do terceiro trimestre, abaixo de janeiro, com R$ 10,3 bilhões e do mesmo período de 2016, com R$ 10,9 bilhões.

No total, os calotes nas operações de instituições bancárias ficaram em média em 4,65%, a menor desde o início do ano, quando o índice chegou a 4,96%. Ano passado, a taxa era de 4,87%.

O saldo das operações de crédito também foi o menor do ano com R$ 23,6 bilhões no Estado, 3,25% abaixo do mesmo período do ano passado, R$ 24,4 bilhões.

Desde abril, o cartão de crédito começou a atuar com novas regras para evitar o aumento da inadimplência. O rotativo só pode ser usado até o vencimento da fatura seguinte. Se na data do vencimento o cliente não tiver feito o pagamento total do valor da fatura, o restante terá que ser parcelado ou quitado.

Reprodução: Diário do Amazonas

 

14/09/2017

Amazonas: Serviço tem a 3ª maior alta do Brasil

Segundo pesquisa divulgada, nesta quarta-feira, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica, o Estado cresceu 0,8% frente a junho e deve fechar o ano com um resultado positivo.

O setor de serviços do Amazonas registrou o terceiro maior crescimento do País, em julho, com 0,8%, empatado com o Mato Grosso do Sul (0,8%) e atrás de Rondônia (2,0%). Dos sete primeiros meses de 2017, houve um crescimento em cinco deles. O dado é da Pesquisa Mensal de Serviços (PMS) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que estima fechar o ano em alta.

O acumulado no ano, que era de -10,8%, em janeiro, acabou sendo reduzido para -5,1%, em julho, causando expectativa positiva, mesmo ocupando a décima segunda posição. O grupo liderado, nessa comparação, pelo Mato Grosso com 4,2% de crescimento, seguido de apenas outros dois Estados: Paraná (4,0%) e Rio Grande do Norte (0,3%).

Em 12 meses, a queda do volume de serviços é de 8,4%. O resultado de julho ficou bem acima da média do País, que teve queda de 0,8%, na passagem de junho para julho.

Já em relação a julho do ano passado, o volume de serviços cresceu 5,6%, sendo o segundo melhor resultado do País, atrás apenas do Paraná (7,1%).

De acordo com o IBGE, a receita nominal do setor no Amazonas, em julho, cresceu 9,6%, sobre igual mês do ano passado, o segundo melhor resultado do País, nesse comparativo, novamente atrás do Paraná, que cresceu 21%.

No ano, a receita nominal do Estado foi de 0,8%, abaixo do 1,7% da média do País. No acumulado de 12 meses teve queda de 3,4%, bem abaixo da média do País que foi de 0,7%.

Brasil

Apesar da queda nacional, o movimento não preocupa, mas confirma que a recuperação da atividade econômica será gradual, avaliaram alguns economistas.

"Não significa que a situação está pior, assim como a alta de 0,2% do PIB (Produto Interno Bruto) no segundo trimestre não indica que o País voltou a viver no paraíso", ponderou o economista Alexandre Espírito Santo, da Órama Investimentos, e professor do Ibmec-RJ.

Segundo o economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, o setor de serviços tem recuperação mais lenta que o restante da economia por ser bastante dependente da renda – que ainda começa a se recompor -, além de mais robusto e pulverizado do que os segmentos agrícola e industrial.

"Não há como financiar um aluguel como se financia um carro, que, apesar de mobilizar um dos setores dos serviços, movimenta mais ainda a indústria de transformação", disse Agostini, prevendo novas altas e baixas no processo de retomada do setor de serviços.

Reprodução: Diário do Amazonas