22/08/16

Índice da CNI aponta queda da produção e do emprego no País

O levantamento foi feito com 2.532 empresas entre 1º e 11 de agosto.

São Paulo - A produção industrial e o número de empregados do setor caíram na passagem de junho para julho. É o que mostra a Sondagem Industrial, divulgada ontem pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). O levantamento foi feito com 2.532 empresas entre 1º e 11 de agosto.

O índice de evolução da produção industrial ficou em 46,6 pontos em julho de 2016, inalterado na comparação com junho. Segundo a CNI, como permanece abaixo dos 50 pontos, indica que a produção caiu de junho para julho.

O índice de evolução do número de empregados ficou praticamente estável em relação ao ano anterior.  "Ressalta-se, contudo, que o índice mostra tendência de aumento desde fevereiro de 2016 e acumula crescimento de 3,7 no período. Ou seja, o ritmo de queda do número de empregados está se reduzindo", destacou a CNI.

Reprodução: Diário do Amazonas

Trabalhadores informais chegam a 10 milhões no País

Após uma queda desde 2012, número de trabalhadores sem carteira assinada voltou a subir, retratando o momento ruim da economia.

São Paulo - Nas ruas mais nobres da zona oeste de São Paulo, toda vez que o semáforo fecha, Gil Nunes se infiltra rapidamente entre os carros parados para vender sacos alvejados – os chamados panos de chão. Desde que perdeu o emprego no setor químico, há dois meses, essa tem sido sua rotina. "Espero voltar ao mercado de trabalho formal. Trabalhar aqui é só uma consequência do desemprego", afirma.

Nunes não está sozinho no novo negócio. Na mesma região em que trabalha quase todos os dias da semana, tem a companhia de um primo e do cunhado de seu irmão. Para cada 100 sacos vendidos, eles embolsam R$ 80. Por dia, vendem 200 unidades. "É daqui que tiramos o nosso salário para pagar aluguel", diz Nunes.

A proliferação de trabalhadores em semáforos é um dos indicadores de que a crise econômica tem empurrado parte dos brasileiros para a informalidade como alternativa ao desemprego crescente.

Em todo o Brasil, são hoje cerca de 10 milhões de trabalhadores informais, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua compilados pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV).

A quantidade de trabalhadores sem carteira de trabalho assinada tem crescido nos últimos meses. No início deste ano, eram 9,7 milhões. "São profissionais sem nenhum tipo de contribuição trabalhista e previdenciária", diz Tiago Cabral Barreira, pesquisador do Ibre e responsável pelo levantamento. Apesar do crescimento recente, esse número já foi maior. No fim de 2012, o contingente de informais chegou a 11,2 milhões de trabalhadores.

Dificuldade

Aos 54 anos, Genaro Angelo trabalha há 27 anos no mesmo semáforo, em Pinheiros. "Vendo bola, raquete, fruta no fim do ano", afirma. "Vendo de tudo". O último emprego no setor formal foi numa farmácia, no centro de São Paulo. "Desde então, vim para este farol e estou até hoje. A gente passa dificuldade, mas dá para levar a vida."

Os produtos ele compra no centro de São Paulo. Para compensar a viagem do Itaim Paulista, onde mora com a mãe e irmãos, ele precisa vender R$ 150 por dia. No auge, ele conseguia ganhar entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil por mês, mas, com a crise, tira, no máximo, R$ 1,2 mil por mês. "Só não trabalho aos domingos, segunda-feira e feriados", diz.

Além da revenda, outros optaram por aprender uma atividade "na marra" como alternativa ao desemprego. É o caso da boliviana Ana Jaquirena, de 31 anos. Há três meses, ao ser mandada embora da empresa de bijuterias na qual trabalhava há quatro anos, recorreu a amigos que vendiam seu próprio artesanato com um pedido encarecido: "Me ensinem a fazer alguma coisa", conta.

Em questão de dias, Ana aprendeu a tricotar toucas e a trançar pulseiras e correntes de couro. Hoje, vende seus produtos no viaduto Santa Ifigênia, no centro de São Paulo. "Tem dia que a gente faz R$ 100 e dia que faz R$ 10, é imprevisível – mas sempre dá para comer", diz. No final das contas, o balanço acabou sendo positivo para ela: Ana Jaquirena conta que tem conseguido ganhar com sua barraquinha mais do que na loja, onde ganhava R$ 1,2 mil por mês.

Expectativa

A tendência é de que o número de trabalhadores informais continue crescendo ao longo dos próximos meses, sobretudo porque o mercado de trabalho não deverá esboçar uma reação este ano. Para o Ibre, a taxa de desocupação deverá encerrar o ano em 12,3% – atualmente a desocupação está em 11,3%.

"A taxa de desemprego deve parar de aumentar somente no segundo trimestre do ano que vem, o que seria uma inflexão em relação à atual trajetória", afirma Barreira, do Ibre. "Uma queda na taxa de desemprego só deve ocorrer no terceiro trimestre de 2017", diz.

"Se as expectativas em relação ao aumento da confiança estiverem corretas, e isso rebater em vendas e consumo, o emprego deve ser um dos próximos indicadores a se recuperar – mas tudo indica que só no ano que vem", afirma o professor Rafael Campelo, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

Reprodução: Diário do Pará

Congelamento da taxa Selic não atinge tomador de empréstimo

Banco Central estabilizou o índice em 14,25% ao ano, desde julho do ano passado, mas os encargos para os tomadores de crédito não pararam de subir.

Brasil - O congelamento dos juros básicos da economia não está chegando ao consumidor final. Enquanto a taxa Selic está em 14,25% ao ano desde julho do ano passado, os juros para os tomadores de crédito não pararam de subir no período. As taxas foram encarecidas pela inadimplência, que impulsionou o spread bancário – diferença entre as taxas que os bancos pagam para captar recursos e as que cobram dos consumidores.

Somente num intervalo de 12 meses, o spread médio subiu 9,2 pontos percentuais. Em junho, segundo os dados mais recentes divulgados pelo Banco Central (BC), o spread atingiu 39,7% ao ano. Esse é o nível mais alto registrado desde que a autoridade monetária mudou a metodologia de apuração das taxas de juros do sistema de crédito, em 2011.


Se for considerado apenas o crédito para as pessoas físicas, a diferença entre os juros de captação e aplicação correspondeu a 58,5% ao ano, alta de 13,4 pontos percentuais entre junho de 2015 e junho deste ano. Em relação aos empréstimos para as empresas, o spread atingiu 18,2% ao ano, alta de 3,2 pontos percentuais na mesma comparação.

Evolução

A conta inclui apenas as linhas de crédito operadas com juros livres, sem financiamentos com taxas subsidiadas como as do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) ou com recursos da poupança. A diferença pode ser observada quando se compara a evolução das taxas usadas na captação – quando as instituições financeiras pegam dinheiro emprestado dos correntistas e oferecem juros em aplicações como poupança e CDB – e os juros cobrados na concessão de crédito.

Apesar de os bancos estarem gastando menos para captar recursos em relação ao início do ano, o consumidor ainda não sentiu a diferença. Depois de atingir o recorde de 15,2% ao ano em janeiro, a taxa média de captação para o crédito com recursos livres caiu para 9,9% ao ano em junho. Mesmo assim, as taxas finais médias para os consumidores não pararam de subir e totalizaram 52,2% ao ano em junho, também no maior nível desde o início da nova série histórica do Banco Central.

Reprodução: Agência Brasil

UFPA lança edital com salário de até R$ 9.114,67

A Universidade Federal do Pará (UFPA) anunciou novo edital do concurso público para contratação de professores do Magistério Superior com titulação de Doutor em vários Campi.

São 53 vagas distribuídas nos Campi de Belém, Abaetetuba, Bragança, Castanhal, Salinópolis, Tocantins/ Cametá, Altamira, Marajó/ Breves e Tucuruí.

Os docentes devem atuar em jornadas 20h; 40h ou em regime de Dedicação Exclusiva de acordo com a área, e receber remuneração que varia de de R$ 2.129,80 a R$ 9114,67.

As inscrições serão recebidas pelo site, das 14h do dia 24 de agosto até às 18h do dia 24 de outubro, observado o horário de Belém - PA, já a taxa de participação é no valor de R$ 120,00, e deverá ser paga por meio de boleto bancário.

Os inscritos serão submetidos à prova Escrita, Didática e Avaliação de Títulos, conforme datas previstas no edital.

A validade deste Concurso é de dois anos, a contar da data de publicação de sua homologação, podendo ser prorrogado por igual período a critério da Universidade Federal do Pará.

Confira as áreas contempladas:

Hidrologia e Embriologia (1); Farmacologia e Biotecnologia Farmacêutica (1); Enfermagem em Doenças Transmissíveis (1); Atenção à Saúde Mental (1); Atenção à Saúde doSistema Reprodutor (1); Atenção Integral à Saúde (1); Fisioterapia Cardiovascular e Respiratória nos Ciclos da Vida (1); Fisioterapia na Saúde da Mulher (1); Terapia Ocupacional na Atenção ao Adulto e ao Idoso (1); Habilidade Médicas I (1); Habilidade Médicas II (1); Habilidade Médicas Medicina Laboratorial (1); Banco de Dados (1); Introdução ao Direito (1); Pesquisa, Formação e Docência no Ensino de Física (1); Teoria e Prática da Alfabetização (1); Controle e desempenho organizacional (1); Métodos Quantitativos para Pesquisa em Contabilidade (1); Psicopatologias (1); Psicanálise (1); Arqueologia na Amazônia (1); Ciência Política (1); Processos Psicológicos em Gestalt-terapia (1); Língua Francesa e seu ensino/ aprendizagem (2); Processos Sociais e Simbólicos da Comunicação (1); Linguística (1); Computação Básica e Aplicada (1); Telecomunicações (1); Fundamentos de Engenharia de Alimentos com ênfase em Projetos e Processos da Indústria de Alimentos (1); Computação Básica (1); Evolução do Comportamento Humano (1); Análise Experimental do Comportamento (1); Bases biológicas do Comportamento/ Etologia (1); Percepção Musical e Teclado (1); Gestão Educacional (1); Ensino de Ciências (1); Gestão de Recursos Naturais e Sustentabilidade (2); Infância e Educação Infantil (1); Didática e Suas Interfaces (1); História da Educação (1); Sociologia Rural, Extensão Rural e Desenvolvimento Rural (1); Lazer e Atividades Rítmicas (1); Bovinocultura leiteira, Bubalinocultura e Bioclimatologia (1); Fluidos de Perfuração/ Completação (1); Método de Exploração Geofísica - Sísmica (1); Método de Exploração Geofísica - Perfilagem de Poços (1); Método de Exploração Geofísica - Elétrico e Eletromagnético (1); Biologia e Prática para o Ensino de Ciências(1); Fundamentos e Metodologias no Ensino das Ciências Exatas e Naturais (1); Metodologia do Ensino de Matemática e Estágio Supervisionado em Matemática (1) e Redes de Computadores, Arquitetura de Computadores, Sistemas Operacionais e Computação Gráfica (1).

Reprodução: Diário do Pará

19/08/16

ARTIGO: Olimpíada e oportunidades de ter sucesso na recolocação.

Se você está em busca de um emprego, está infeliz no seu trabalho, este artigo é para você!

Com uma energia positiva e cheia de esperanças carregada as olimpíadas traz consigo a oportunidade de aproveitar as oportunidades para crescer na carreira. 

Assim, o esporte naturalmente traz consigo determinação, garra e um plano de ação. Os atletas para alcançar o pódio possuem um propósito claro, entrando em ação, treinando muitas horas, reavaliando as necessidades de aperfeiçoamento.

E nesse espirito, é preciso investir em si, buscar melhorias, mais autoconhecimento em um mercado competitivo, para ter sucesso em sua recolocação. 

Qual a história que quer contar a si daqui há 2 anos? Como gostaria de ser lembrado?

Nesse contexto, aproveite mais as oportunidades de tornar-se um profissional campeão, correndo atrás para conquistar seu lugar no mercado de trabalho; - Inicie fazendo uma lista das empresas que possuem vagas em seu perfil, faça contato com empregadores, defina metas de quantos currículos irá enviar, busque atualização constante, busque feedback dos processos a qual participa e melhore seus pontos fortes e fracos.

Portanto, o espírito olímpico mostra que é preciso disciplina e pensar grande, afinal ganhar medalhas de "ouro" não é para qualquer um; -  Vá mais rápido, voe alto e conte conosco nesta corrida, para ser campeão e subir ao pódio. 

ARTICULISTA: Luciana Ferreira
E-mail: assessoria@elementorh.com.br
__________________________________________________Nota editorial: Os pensamentos e ideias acima expostos não necessariamente refletem nossa opinião e são de responsabilidade exclusiva da (s) Autora (as) do Artigo.

Pará inaugura primeira cooperativa de energia renovável do país


A primeira cooperativa de energia renovável do Brasil entrou em funcionamento, no município de Paragominas, no estado do Pará. A micro-usina de energia solar fotovoltaica da Cooperativa Brasileira de Energia Renovável (Coober) começou a operar neste mês de agosto com capacidade de 75 KWp, potência que deve ser ampliada em breve.
Segundo a cooperativa foram investidos R$ 600 mil na micro-usina solar. O recurso provém da contribuição dos 23 cooperados. A Coober foi criada em fevereiro deste ano, com base nas novas regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que entraram em vigor em dezembro de 2015, com o objetivo de estimular a geração de energia pelos próprios consumidores.
O espaço físico da micro-usina reúne 288 placas fotovoltaicas que possuem capacidade de produção média de 11.550 KW/h por mês. De acordo com a cooperativa toda energia será injetada no sistema da rede Celpa. O resultado será rateado entre os cooperados e descontado diretamente na conta de energia. A estimativa é de que metade do quadro social da Coober tenha a conta completamente zerada, dependendo do nível de consumo individual.
Para o superintendente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Renato Nobile, a tendência é de que em poucos anos o Brasil tenha centenas de cooperativas de energia renovável espalhadas pelo país produzindo energia  de forma compartilhada e distribuindo entre seus cooperados.

Belém recebe festival com chocolates, flores e joias da Amazônia


Produtores de chocolate, flores e joias do Pará lançam, nesta quinta-feira (18), o 4º Festival Internacional de Cacau e Chocolate da Amazônia, que ocorre simultâneamente ao 16º Flor Pará. Os eventos serão realizados entre os dias 22 e 25 de setembro, no Hangar, compondo a "Trilogia da Sedução" junto com uma exposição de peças produzidas no Polo Joalheiro.

Após o lançamento dos eventos, os restaurantes que farão parte do 3º Circuito Gastronômico de Cacau e Chocolate, promovido pela Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel-PA) entre os dias 1º e 25 de setembro, vão apresentar pratos especiais. As novas receitas vão estar disponíveis para o público à partir desta sexta-feira (19).

Reprodução: G1 Pará