26/09/16

Belém: Palestra Inteligência Emocional em Situações Corporativas.

A ABRH-PA convida você para participar da 13ª edição da Quarta com RH 2016com a Prof Márcia Pimenta.

Psicóloga, Pós Graduada em Gestão de Pessoas (FGV), Especialista em Psicologia Organizacional e do Trabalho, Especialista em Psicologia Clínica e Psicologia do Trânsito.


TEMA: Inteligência Emocional em Situações Corporativas.


Inscreva-se aqui: goo.gl/zsuPNe 

VAGAS LIMITADAS!



23/09/16

Doenças Ocupacionais do Trabalho: DORT E L.E.R.

As Lesões por Esforços Repetitivos (LER) ou Doenças Osteomusculares Relacionados ao Trabalho (DORT) ou Afecções Musculoesquelético Relacionadas ao Trabalho (AMERT) são definidas como um conjunto de doenças do trabalho, que acometem tendões, sinovias, músculos, nervos, fáscias e ligamentos, de forma isolada ou associadamente, com ou sem degeneração de tecidos, atingindo não somente os membros superiores, mas principalmente a região escapular e o pescoço. 

Essas doenças são típicas do trabalho intenso e repetitivo e são causadas por diversos tipos de pressões existentes no trabalho, que atacam as pessoas tanto física quanto psicologicamente. 

Na idade média era conhecida como a "Doença dos Escribas", que nada mais era do que uma tenossinovite, praticamente desaparecendo depois da invenção da imprensa por Gutemberg. 

Ramazzini (o pai da medicina do trabalho), em 1700, também descreve a doença dos escribas e notórios. Em 1895 o cirurgião suíço Fritz de Quervain descrevia o "Entorse das Lavadeiras", atualmente conhecida como Tenossinovite de DeQuervian, um tipo de doença causada por esforço repetitivo. 

Mais tarde aparece como "doença das tecelãs" (1920) ou "doença das lavadeiras" (1965). 

O problema se amplia a partir da década de 80, quando a doença torna-se um fenômeno mundial, devido a grande evolução do trabalho humano e o aumento do ritmo na vida diária. A LER, entretanto, acentuou-se demasiadamente na década de 1990, com a popularização dos computadores pessoais.
Atualmente, a síndrome que é mais associada ao trabalho informatizado, já representa quase 70% do conjunto das doenças profissionais registradas no Brasil. 

A prevenção foi e continua sendo a melhor forma de combate a este tipo de patologia, pois a adoção de posturas e ritmos de trabalho mais adequados são fundamentais. 

Quando existe uma suspeita de lesão, o acompanhamento de um profissional torna-se primordial para a correta avaliação e tratamento do funcionário. 

A LER também é conhecida como lesão por trauma cumulativo (LTC). Podemos ainda defini-la como um conjunto de doenças que atingem principalmente os membros superiores, atacam músculos, nervos e tendões provocando irritações e inflamação dos mesmos. 

A LER é geralmente causada por movimentos repetidos e contínuos com consequente sobrecarga do sistema musculoesquelético. O esforço excessivo, má postura, stress e más condições de trabalho também contribuem para aparecimento da LER. 

Em casos extremos pode causar sérios danos aos tendões, dor e perda de movimentos. A LER inclui várias doenças entre as quais podemos citar:

• Tenossinovite;
• Tendinites;
• Epicondilite;
• Síndrome do túnel do carpo;
• Bursite;
• Dedo em gatilho;
• Síndrome do desfiladeiro torácico;
• Síndrome do pronador redondo. 

Preços dos alimentos voltam a cair e aliviam a inflação, diz FGV

Foto: Agência Brasil

Nesta classe de despesa, o índice teve o impacto, principalmente, dos laticínios que ficaram em média 1,86% mais baratos.

São Paulo - O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) apresentou variação de 0,18% na terceira prévia de setembro, variação que é 0,09 ponto percentual inferior à da última apuração (0,27%).

Cinco dos oito grupos pesquisados tiveram queda com destaque para alimentação (de 0,44% para 0,11%). Nesta classe de despesa, o índice teve o impacto, principalmente, dos laticínios que ficaram em média 1,86% mais baratos. No levantamento anterior, os preços destes produtos já tinham recuado 0,21%.

A pesquisa do IPC-S é feita pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) em sete capitais: Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Porto Alegre.

Em educação, leitura e recreação houve alta de 0,39%, bem abaixo do aumento verificado na segunda prévia (0,72%). No grupo transportes, a variação caiu de 0,04% para 0,02%; em saúde e cuidados pessoais (de 0,39% para 0,37%) e despesas diversas (de -0,22% para -0,28%).

Alimentação e roupas

Já em habitação, houve elevação no ritmo de aumento (de 0,21% para 0,27%) e o mesmo foi constatado em vestuário (de 0,05% para 0,33%) e comunicação (de -0,01% para 0,01%).

Os itens que mais pressionaram a inflação no período foram: plano e seguro de saúde com alta de 1,05%; banana-nanica (28,69%); refeições em bares e restaurantes (0,46%); tomate (10,91%) e passagem aérea (9,61%).

Entre os que ajudaram a conter a inflação estão: leite tipo longa vida (-7,02%); batata-inglesa (-22,50%); gasolina (-1,03%); banana-prata (-6,01%); feijão-carioca (-4,68%).


Reprodução: Agência Brasil

Após quase dois anos, índice de atividade industrial tem alta em agosto, diz CNI

Foto: Eraldo Lopes

O índice de produção voltou à zona favorável em agosto deste ano e a utilização da capacidade instalada melhora.

Brasília - Após 21 meses sinalizando quedas, o índice de produção industrial voltou à zona favorável (acima de 50 pontos) em agosto deste ano, informou nesta quinta-feira (22), a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador subiu a 508 pontos, o maior resultado desde outubro de 2014, quando também ficou em 50,8 pontos. Em julho deste ano, o desempenho havia ficado em 46,6 pontos.

"O índice ainda não se afastou o suficiente da linha para afirmar que houve um crescimento da produção (a distância para a linha divisória é inferior à margem de erro do indicador, 1,0 ponto), mas interrompe uma sequência de quedas na produção que já durava 21 meses", notou a entidade.

A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) também subiu para 66% no mês passado, contra 65% em julho. Apesar de ser um patamar historicamente baixo, o porcentual é igual ao registrado em agosto de 2015, interrompendo a sequência de quedas na comparação interanual que vinha sendo registrada.

A melhora também é percebida no resultado da UCI efetiva-usual, que passou de 36,5 pontos em julho para 38,3 pontos em agosto. Mesmo assim, o fato de o indicador permanecer abaixo dos 50 pontos mostra que a ociosidade ainda está acima do normal.

A CNI destacou que os estoques seguem no nível planejado pelas empresas pelo nono mês seguido. A situação representa mudança em relação a 2015, quando empresários relatavam estoques acima do desejado como situação recorrente.


Empregos

O índice de evolução do número de empregados, por sua vez, ficou em 46,3 pontos em agosto, ainda na zona desfavorável. Mas a CNI observa que, embora o índice aponte para nova queda do emprego industrial, o ritmo de demissões está desacelerando. Prova disso é que o indicador chegou ao maior patamar desde dezembro de 2014. 

Os empresários permanecem otimistas em relação à demanda, às compras de matérias-primas e às exportações. Mas isso ainda não se traduz em perspectivas de contratações. Há expectativa de redução no número de funcionários nos próximos seis meses - o indicador ficou em 47,9 pontos em setembro, contra 47,8 pontos em agosto.


Reprodução: Estadão Conteúdo

21/09/16

Amazonas: CIEE abre duas mil vagas no programa Aprendiz Legal

Os interessados podem se candidatar gratuitamente pelo site do Centro de Integração Empresa Escola.

Manaus – O Centro de Integração Empresa Escola (CIEE) está com duas mil vagas abertas para o programa Aprendiz Legal, voltadas para jovens com idade entre 14 e 24 anos que tenham concluído ou estejam cursando o ensino fundamental ou médio. A contratação possibilita o ingresso no mercado de trabalho, com carteira assinada por prazo máximo de dois anos e capacitação teórica na área que vão atuar.
Os cursos de capacitação teórica ministrados pelo CIEE são oferecidos em diversas modalidades. Os interessados podem se candidatar gratuitamente pelo site www.ciee.org.br.
O Centro também oferece uma série de benefícios adicionais gratuitos aos aprendizes como lanches, palestras, oficinas, passeios culturais, atividades esportivas, apoio de assistentes sociais que interagem com as famílias dos jovens e com as empresas.
O Aprendiz Legal é um programa de inclusão social, que insere jovens no mercado de trabalho, de acordo com a Lei 10.097/00 que obriga as empresas a contratarem cotas de aprendizes. Desde o início de sua atuação em apoio à Lei, em 2003, o CIEE já beneficiou mais de 230 mil jovens.
Reprodução: Diário do Amazonas

Após demissão, servidor sem concurso só tem direito ao FGTS, reafirma STF

No STF, o relator observou que a jurisprudência estabelece que, para ser válida, a contratação por tempo determinado deve atender a casos excepcionais previstos em lei.
Foto: Raphael Alves

Supremo cita Lei 8.036/1990, que garante depósitos do FGTS a trabalhador cujo contrato com a administração pública seja declarado nulo por ausência de prévia aprovação em concurso público.

Manaus - O Supremo Tribunal Federal (STF) reafirmou jurisprudência no sentido de que o fim de contrato de servidor público sem concurso, ainda que por tempo determinado e para atendimento de necessidade excepcional da administração, gera como efeitos jurídicos apenas o direito ao recebimento de salários durante o período e ao levantamento dos depósitos realizados no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). O tema é abordado no Recurso Extraordinário (RE) 765320. 
No caso dos autos, um servidor admitido em caráter provisório e excepcional para desempenhar a função de oficial de apoio judicial junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJ-MG) ajuizou ação contra o Estado. Ele alega ter exercido a função, de natureza permanente e habitual, por três anos e oito meses, executando atribuições inerentes e típicas dos integrantes do quadro efetivo de pessoal.

Manaus: Empregos no Polo Industrial têm menor ritmo de queda

Suframa aponta que o fechamento de vagas cai em menor ritmo enquanto que o faturamento  foi 5% abaixo de junho.


Manaus - A quantidade de mão de obra do Polo Industrial de Manaus (PIM), em julho, foi a menor desde agosto de 2004, com 82.981 mil trabalhadores efetivos, temporários e terceirizados. Apesar do resultado, a quantidade ficou praticamente estável em relação a junho, quando havia 83.155 empregados, e recuou 19% comparado a julho do ano passado. De acordo com os Indicadores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), o faturamento somou R$ 5,81 bilhões, 6,5% abaixo de junho e 5% inferior a julho de 2015. 
No acumulado de janeiro a julho, as empresas do PIM faturaram R$ 40,4 bilhões, 8,4% abaixo do mesmo período do ano passado. Em dólar, as vendas caíram 22,7%, equivalente a US$ 11,4 bilhões contra US$ 14,7 bilhões no mesmo intervalo de 2015, influenciado também pela forte variação cambial.