23/02/2012

ARTIGO DA SEMANA: ENTRE GREGOS E GOIANOS.

Nasci em Goiás, mais precisamente em Jataí e cada dia vejo com tristeza os acontecimentos na Grécia.

 
A Grécia é a terra de grandes filósofos e dizem que somos uma civilização que descende do pensamento greco-romano. Além disso,  é um país que tem vários atrativos turísticos e nos encanta pelo seu povo hospitaleiro.
Jataí é uma cidade pequena que tem vários atrativos turísticos tais como as termas de água quente, as praças e monumentos históricos, o povo hospitaleiro e as instituições de ensino.


 
Segundo a Wikipédia: "A Grécia é um país desenvolvido com graves problemas de ordem econômica. É membro da União Europeia desde 1981, membro da União Econômica e Monetária da União Europeia desde 2001, OTAN desde 1952, OCDE desde 1961, UEO desde 1995, membro fundador da Organização de Cooperação Econômica do Mar Negro e membro da AEE desde 2005. Atenas é a capital; outras importantes cidades do país são Salónica, Pátras, Iráclio, Lárissa, Vólos, Ioannina, Cavala e Rhodes."


 
Jataí segundo a Wikipédia: "É um município brasileiro do estado de Goiás. Segundo o censo 2010 do IBGE, conta com uma população de 88.970 habitantes <est. IBGE 2011[3]. Jataí situa-se no sudoeste de Goiás. O município de Jataí é considerado a capital de grãos de Goiás[carece de fontes], tendo sido considerado na safra de 2004 o maior produtor de milho do Brasil[6]; nas safras de 2006, 2007 e 2008, o maior produtor de sorgo do Brasil; e nas safras de 2004, 2006 e 2007, o maior produtor de soja de Goiás. É o maior produtor de grãos de Goiás e o quinto do Brasil com 1 164 913 toneladas colhidas em 2007[9]. O município produz 1,08% de toda produção nacional de grãos, por conta destes valores, em Jataí, a produtividade dos agricultores já superou a dos Estados."


 
O Brasil já teve que suportar as agruras do FMI metendo bedelho na economia e aguentamos uma série de imposições. Sentimos isso na pele e hoje vemos nossos irmãos europeus passarem o mesmo.


 
O salário mínimo na Grécia deverá sofrer um corte de 22 por cento, passando dos atuais 751,39 euros para cerca de 586 euros mensais. Transformando isso em Reais temos que o mesmo passará de R$ 1.706,93 para R$ 1.331,21 (1 euro = 2,27176341 reais) e o nosso salário mínimo em Jataí e no Brasil é de R$ 622,00, isto é, ele era 174% menor e hoje é  114% menor do que o salário mínimo grego.
 
Mesmo assim eles estão na rua protestando e reclamando da situação econômica que estão enfrentando e muitos insatisfeitos com os rumos da comunidade econômica européia.
 
Nós apesar do salário mínimo menor  e de uma economia em franco crescimento não podemos reclamar da vida e de como estamos vivendo nos últimos anos.
 
Será que eles estão certo e nós errados? Acho que eles tem um poder de reação muito maior do que o nosso e se formos avaliar nossa reação poderia dizer que ser goiano é muito bom pelo momento que passamos e ser grego é ter muita resiliência nesse momento e saber enfrentar esses tempos duros que se avizinham.

 Ser goiano de acordo com  José Mendonça Teles. Crônicas de Goiânia. Goiânia: Kelps, 1998 "é carregar uma tristeza telúrica num coração aberto de sorrisos.  É ser dócil e falante, impetuoso e tímido. É dar uma galinha para não entrar na briga e um nelore para sair dela. É amar o passado, a história, as tradições, sem desprezar o moderno. É ter latifúndio e viver simplório, comer pequi, guariroba, galinhada e feijoada, e não estar nem aí para os pratos de fora."


 A Grécia se tornou o primeiro país dos Bálcãs a existir como nação-estado independente do Império Otomano. O movimento revolucionário grego formou sua própria definição de ser grego independente da herança cultural bizantina e grega antiga e junto com as influências do nacionalismo ocidental. Isto atraiu a ajuda estrangeira dos amantes da cultura grega.


 
Devido a tudo isso  agradeço profundamente a influência grega em nossas vidas e digo sem medo de ser feliz que espero que eles recuperem seu prestígio, seu poder aquisitivo e que consigam atravessar mais esse mar de tempestades. Pois prefiro, e muito,  viver da influência de gregos e goianos...

 

* Robson Paniago é Doutor em Ciências Empresariais pela Universidad del Museo Social Argentino, Coordenador do  Curso de Administração do UNISAL – Campinas e Professor de graduação e MBA da FGV. Sócio - diretor da CONSULTEE – www.portalconsultee.com e da CEC – www.cecapivari.com.br. Palestrante, Articulista do Jornal de Jundiaí e Consultor.

917969�!>fxH*�v "3" face="Times New Roman"> 

Um comentário:

  1. Estranho.. muuuito estranho, pois pelo que me consta, humildemente , te falo, influências, nos brasileiros tivemos, de holandeses,(aqueles conquistadores), que aliás, nossa familia, descende, e principalmente, dos portugueses, que Portugal queria ver pelas costas( por isso nossos principios filosoficos são imbecis),no que nos restou de melhor aqui em Belém a arquitetura do Landi, que aliás ser e rodeia grande parte de nossa Belém, mas Grego??!!! Goianos??!!!I' am sorry, but...

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.