09/04/2012

Em Manaus, cresce volume de empregados que trabalham em casa.

Para home officers de Manaus, a necessidade de exceder o horário é a principal desvantagem da atividade.

Manaus - Trocar o ambiente de trabalho pela casa é um opção cada vez mais comum que envolve 30 milhões de adeptos no Brasil, a maioria concentrada na Região Norte, segundo dados do Censo 2010. Com a evolução tecnológica, a expansão do 'home office' (escritório em casa) culminou com a criação de uma lei regulamentar no final de 2011. Apesar das vantagens, é comum o trabalhador ultrapassar o limite da carga horária contratada.

"A Lei 12.551 traz justamente a determinação de que a jornada de trabalho deve ser preservada", disse a presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos no Amazonas (ABRH-AM), Elaine Jinkings. A legislação garante ao trabalhador o direito a receber hora extra se receber e-mails, ligações e mensagens pelo celular corporativo fora do horário do expediente.

A reunião desses materiais serve para provar esse tipo de abuso cometido por parte do empregador. "Enquanto não houver jurisprudência e pela interpretação da lei irá ocorrer o aumento das demandas judiciais", disse. As empresas estão se precavendo, restringindo, por exemplo, o acesso a e-mails corporativos a partir de determinado horário. "Outro risco é que prestadores de serviços exijam vínculo empregatício, caso estejam executando um serviço de casa". 

Prós e contras

Para home officers de Manaus, a necessidade de exceder o horário é a principal desvantagem da atividade. Há 15 anos com escritório em casa, o representante comercial André Wilson geralmente ultrapassa a carga horária. "Chego a trabalhar 16 horas por dia no mínimo, porque perco muito tempo no trânsito quando vou visitar clientes e fico até tarde fazendo cotações, pois com a internet tudo ficou pra ontem e se um não fizer, o concorrente faz", disse.

De acordo com a consultora de vendas externas Kêdma Santiago, apesar de extrapolar o horário comercial, a flexibilidade é um dos benefícios do também chamado 'teletrabalho'.  "Chego a responder e-mail e fechar planilhas à noite, mas não preciso bater cartão e estar dentro de um escritório". Há um ano trabalhando em casa, ela visita o escritório de suporte da empresa  uma a duas vezes por semana para prestar contas e buscar documentos.

Segundo a presidente da ABRH-AM, entre as vantagens para o home officer estão a execução do trabalho em qualquer local devido à tecnologia e falta de necessidade de enfrentar trânsito. "Em contrapartida, o funcionário é desprovido do convívio com os colegas, ele fica isolado e isso é prejudicial para a sua saúde mental". No caso dos empregadores, a redução dos custos está no topo dos benefícios da atividade. "A empresa não precisa investir em estrutura física, reduz os custos com compra de mesas e computadores", explica.

Fonte: Diário do Amazonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.