05/04/2013

Crise no Polo de Duas Rodas força componentistas a reduzirem empregos em Manaus.

Manaus - O Polo de Duas Rodas encerrou o primeiro trimestre com queda na produção e nas vendas e a crise já afeta as empresas de componentes, como termoplástico, que opera a 20% abaixo da capacidade e forçou a redução dos empregos. 

A produção nacional de motocicletas concentrada no Polo Industrial de Manaus (PIM) caiu 25% nos três primeiros meses do ano em relação ao ano passado e as vendas encolheram 21,8%.

Os dados da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo) apontam que a maior queda foi verificada na produção, que saiu de 509.545 unidades no primeiro trimestre de 2012 para 381.708 neste ano.

Somente em março, a retração no setor foi de 26,9%, com o mês fechando em 131.174 motos fabricadas. Em fevereiro, a queda foi de 19,44% e em janeiro de 28,13%.

"A sazonalidade do produto é algo que sempre atinge o Polo nos primeiros meses do ano, mas no caso específico de Duas Rodas a melhora se espera apenas para o segundo semestre porque é quando algumas medidas devem ter efeito", explica o presidente do Centro da Indústria do Estado do Amazonas (Cieam), Wilson Périco.

A expectativa do representante da indústria é baseada em uma comissão criada pela Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) com fabricantes de bens finais e componentistas. A autarquia já reiterou o compromisso de propor ajustes nos Processos Produtivos Básicos (PPBs) que possam trazer maior agregação de valor ao polo.

Périco acredita que as alternativas tratadas nas reuniões trarão soluções que o segmento necessita. "O problema é o acesso ao crédito porque o interesse em adquirir o produto existe", salienta.

O levantamento da Abraciclo mostra que as vendas também tiveram resultado negativo. A comercialização das motocicletas entre janeiro e março deste ano ficou nas 366.078 unidades, abaixo das 468.493 alcançadas no mesmo período de 2012.

As vendas somente em março foram 21% menores que no ano anterior, totalizando 129.982 unidades. O segmento iniciou o ano com a venda de 114.735 motos e avançou para 121.361 em fevereiro.

Mão de obra

Os resultados negativos refletiram na mão de obra empregada e no faturamento do Polo de Rodas, que perdem espaço no PIM. A média do pessoal empregado no setor que era de 19.658 em 2012, ficou em 18.010 em fevereiro passado, segundo dados da Suframa.

Já o faturamento, que chegou a representar 25,37% de todo o volume do PIM em 2008, hoje detém a fatia de 17,3%. O dado mais recente mostra um faturamento de US$ 955,7 milhões.

Termoplástico reduz pessoal empregado

A retração tem interferido na produtividade da cadeia componentista e na redução dos empregos. Segundo o diretor-executivo do Sindicato da Indústria de Materiais Plásticos do Amazonas (Simplast), Paulo Abreu, o segmento opera 20% abaixo da capacidade produtiva.

Segundo Abreu, o número de empregados no final de 2012 era de 11,4 mil e foi para 9,6 mil em janeiro. As demissões são gradativas e as empresas estão tentando segurar os empregados na expectativa de retornar a produção em junho, destacou ele.

O primeiro trimestre "foi nos mesmos moldes" do último trimestre de 2012. "O volume menor que o esperado tem relação com o crédito dos bancos que ainda não melhorou", disse Abreu.

A expectativa é que as mudanças no Processo Produtivo Básico (PPB), como o uso de componentes feitos em Manaus, reflitam a partir de junho.

Fonte: Diário do Amazonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.