22/01/2015

Consumidor pagará, a partir de hoje, juros mais altos no cartão e no crédito

Com a publicação de decreto que eleva o IOF, crédito pessoal e para automóveis está mais alto.

São Paulo - O consumidor já está pagando taxa de juros de 3% ao ano, após a publicação do decreto que elevou o encargo do crédito no Diário Oficial da União. A nova alíquota aumenta  os juros diários do financiamento de 0,0041% para 0,0082%, que vale para crédito pessoal, financiamento de autos e imobiliário e a  parcela não paga do cartão de crédito.

Esse valor será cobrado além dos 0,38% que incidem na abertura das operações de crédito. Com essa medida, o governo espera arrecadar R$ 7,38 bilhões neste ano.

Essa e outras medidas, que devem reduzir o consumo e a inflação, já haviam sido anunciadas no início da semana pelo o ministro da Fazenda, Joaquim Levy.  Além da alteração do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), também foi comunicado o aumento de tributos sobre combustíveis e sobre produtos importados. A expectativa da equipe econômica é arrecadar R$ 20,6 bilhões, neste ano, com as alterações.

Essas medidas tendem a tornar o crédito ao consumidor mais caro. A Petrobras já anunciou que repassará o novo encargo para o preço que cobra das distribuidoras, o que elevará o valor do litro da gasolina nas bombas dos postos.

Segundo disse Levy na ocasião, as medidas fazem parte do esforço do governo para ajustar as contas públicas "com o menor sacrifício possível".

Desde que foi anunciada a nova equipe econômica, no fim de novembro, o governo vem anunciando medidas para ajustar as contas públicas, que tiveram forte deterioração em 2014 – ano em que a arrecadação registrou comportamento fraco, devido às desonerações e ao baixo ritmo de crescimento da economia, e no qual os gastos públicos continuaram a avançar.

De acordo com o ministro da Fazenda, estão sendo elevados o PIS, a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins) e a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) sobre os combustíveis.

Segundo ele, o impacto será de R$ 0,22 para a gasolina e de R$ 0,15 para o diesel. O PIS e a Cofins terão alta imediata, mas o aumento da Cide só terá validade daqui a 90 dias. A expectativa do governo é arrecadar R$ 12,18 bilhões com esta medida em 2015.

Medidas

Nos últimos meses, a nova equipe econômica já tinha anunciado medidas. São elas: mudanças nos benefícios sociais, como seguro-desemprego, auxílio-doença, abono salarial e pensão por morte, que ainda têm de passar pelo crivo do Congresso Nacional. Além disso, também subiram os juros do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para o setor produtivo, como forma de diminuir o pagamento de subsídios pelo governo.

Outra medida foi a alta do IPI para automóveis no início deste ano. O Ministério do Planejamento, por sua vez, anunciou a redução dos limites temporários de empenho para gastos no orçamento de 2015. Na semana passada, o novo secretário do Tesouro Nacional, Marcelo Saintive, confirmou que não haverá mais repasses do governo ao setor elétrico, antes estimados em R$ 9 bilhões para este ano, o que deverá elevar ainda mais a conta de luz.

Fonte: Diário do Amazonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.