25/04/2017

Amazonas: Faturamento do PIM tem alta de 12,1% mas emprego não acompanha

Mesmo com a alta, o montante é o menor desde 2013 e foram perdidos quase 1,5 mil empregos no bimestre, em relação a 2016.

O aumento da produção de televisores, condicionadores de ar, celulares e bens de informática, no primeiro bimestre, elevou o faturamento do Polo Industrial de Manaus (PIM) em 12,1%, ao somar R$ 11,82 bilhões. Mesmo com a alta, o montante é o menor desde 2013. Em dólar, a alta foi de 45%, distorcida pela forte variação cambial. De acordo com os Indicadores Industriais da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), apesar do aumento da atividade, foram perdidos quase 1,5 mil empregos no bimestre, em relação a 2016.
Os polos Eletrônico e de Informática contribuíram fortemente para o resultado. O primeiro aumentou o faturamento em 17,2% e atingiu R$ 3,42 bilhões, e o segundo em 26,6%, ao somar R$ 2,3 bilhões. O segmento Eletroeletrônico manteve a liderança do faturamento do PIM, respondendo por 28,96% do total. Em seguida estão os segmentos de bens de Informática, com fatia de 19,47%, seguido por Duas Rodas, com 14,40%, e Químico, com 11,23%.
Os principais produtos com maior faturamento no primeiro bimestre de 2017 foram televisores com tela de cristal líquido, que atingiu R$ 2,12 bilhões, seguido por celulares, com R$ 1,34 bilhão, motocicletas, com R$ 1,31 bilhão e condicionadores de ar do tipo Split que somou R$ 520,2 milhões. 
Já o maior aumento da produção, em relação ao primeiro bimestre de 2016, foi liderado pelos monitores de LCD para uso em computadores, que totalizou 159,5 mil unidades, alta de 1.285% em relação a igual intervalo do ano passado. Produção de aparelhos de home theater evoluiu 328%, ao somar 9,1 mil unidades. 
Para a superintendente da Suframa, Rebecca Garcia, os indicadores do bimestre começam a sinalizar que o PIM está revertendo a fase de queda para iniciar a trajetória de retomada e recuperação econômica. "Os dados mostram que, após um período de oscilação negativa, o PIM começa a se recuperar. Ainda precisamos ser cautelosos, mas inspira otimismo o fato de que esse crescimento está sendo puxado pelos segmentos mais representativos do PIM como Eletroeletrônico, Bens de Informática e Duas Rodas, e com produtos como televisores e telefone celular apresentando crescimento de produção e faturamento", disse.
Mesmo com o aumento do faturamento em relação ao ano passado, o resultado só não foi mais baixo do que o obtido em 2013, quando o montante somou R$ 11 bilhões. O impacto é maior pois o resultado é nominal, por não descontar a elevada inflação dos últimos cinco anos. No primeiro bimestre de  2015, o faturamento caiu 7,58% sobre o ano anterior. No ano passado, a queda havia sido de 17,9% sobre igual intervalo de 2015.

Empregos
O nível do emprego não acompanhou o crescimento do faturamento. A média mensal dos dois primeiros meses atingiu 85.769 postos de trabalho, com a perda de 1.492 vagas em comparação à media de 87.261 vagas no primeiro bimestre do ano passado.
De acordo com os dados da Suframa informados pelas empresas, nos dois primeiros meses do ano, ocorreram 5.921 admissões e 4.808 demissões.
Em fevereiro, a média atingiu 85.500 trabalhadores, entre efetivos, temporários e terceirizados. O número é 1,22% menor que o total de vagas registrado em fevereiro de 2016 (86.554) e 0,63% inferior na comparação com o total obtido em janeiro deste ano (86.039).

Reprodução: Luiz Cláudio Tinoco / Diário do Amazonas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.