03/05/2017

Otimismo com aprovação da reforma da Previdência faz dólar recuar 0,74%

O dólar à vista no balcão terminou em queda de 0,74%, a R$ 3,1552, após oscilar entre a mínima de R$ 3,1466 (-1,00%) e a máxima de R$ 3,1952 (+0,52%).

O dólar caiu firme ante o real nesta terça-feira (2), volta do feriado prolongado de Dia do Trabalho. Como muitos participantes tinham adotado uma postura defensiva antes do recesso nos mercados domésticos, com certa cautela com o tamanho e impacto dos protestos de 1º de maio, hoje uma sensação de alívio permeou os negócios. Esse sentimento se consolidou com a decisão do governo de bancar a votação do relatório da reforma da Previdência na Comissão Especial da Câmara esta semana.
O dólar à vista no balcão terminou em queda de 0,74%, a R$ 3,1552, após oscilar entre a mínima de R$ 3,1466 (-1,00%) e a máxima de R$ 3,1952 (+0,52%). O giro registrado na clearing de câmbio da B3 foi de US$ 839,313 milhões.
No mercado futuro, o dólar para junho recuava 0,69% por volta das 17h15, a R$ 3,1785. O volume de negócios somava US$ 14,100 bilhões. No exterior, o dólar tinha um desempenho misto ante outras moedas emergentes e de países exportadores de commodities, com queda de 0,72% em relação à lira turca, mas avanço de 0,21% na comparação com o rublo russo.

O presidente da comissão especial da reforma da Previdência na Câmara, Carlos Marun (PMDB-MS), confirmou nesta tarde que o relatório deve ser votado amanhã, contrariando as expectativas de alguns analistas, que previam um adiamento. O relator, Arthur Maia (PPS-BA), disse na sequência que "não vai mudar nada" no seu relatório, mas isso não chegou a fazer preço, já que segundo Marun o governo tem certeza da sua maioria no colegiado.
Entre os indicadores econômicos, a balança comercial brasileira teve superávit de US$ 6,969 bilhões em abril, que marcou o melhor resultado para o mês na série histórica, iniciada em 1989 O resultado levou o saldo positivo no ano para US$ 21,387 bilhões.
O secretário de Comércio Exterior do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Abrão Neto, avalia que o saldo positivo em 2017 deve superar os US$ 55 bilhões, batendo o recorde anterior, de US$ 47,692 bilhões, registrado no ano passado. Já a pesquisa Focus trouxe que a projeção para o câmbio no final deste ano permaneceu inalterada em R$ 3,23, enquanto para 2018 continuou estacionada em R$ 3,38.

Reprodução: Estadão Conteúdo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante para nós. Após comentar divulgue o blog do Clube de Administração para seus amigos.